Entrando em Alfa

A meditação consiste na prática de focar a atenção, frequentemente alcançada por meio de uma rotina, ou seja, de um exercício de foco. A palavra meditação vem do latim meditare, que significa voltar-se para o centro no sentido de desligar-se do mundo exterior e voltar a atenção para dentro de si.

A meditação é tão antiga quanto a humanidade. Existem dados históricos que mostram que essa pratica não é exclusiva de um único povo ou região, sendo desenvolvida em diferentes culturas ao longo da história. A meditação é muito ligada ao conceito religioso e de busca espiritual, mas ela pode ser uma prática de relaxamento sem necessariamente ter fins religiosos.

A meditação pode ser definida da seguinte maneira:

Um estado que é vivenciado quando a mente se torna vazia e sem pensamentos, prática de focar a mente em um único objetivo (pode ser algo que a pessoa muito almeja, contato com os Deuses para se obter uma resposta, etc). Algumas fontes sugerem que entramos no estado meditativo quando nossas ondas cerebrais abandonam o estado agitado das ondas Beta e diminuem de frequência até atingir o estado Alfa.

Geralmente nossas mentes têm inúmeros pensamentos aleatórios: pensamos no passado, no que queremos, nos problemas, enfim, numa porção de coisas. Com a devida prática, podemos diminuir a velocidade do pensamento para observar o silêncio mental e conseguir descansar parcialmente nossa mente. A meditação pode nos ajudar a alcançar estados ainda mais avançados e profundos de consciência onde a magia flui de nossas mentes e corpos com ainda mais precisão. Entretanto, chegar neste ponto requer uma prática rotineira.

A meditação está presente nas religiões da Nova Era e orientais, mas se você observar atentamente vai perceber que mesmo as religiões cristãs também realizam sua forma própria de meditação, quer seja através de um transe induzido pela reza de um rosário ou pelas sessões quase hipnóticas conduzidas por um pastor evangélico. Na Wicca, a prática da meditação é muito comum, pois através dela entramos em contato com o Eu Superior e com os próprios Deuses, seja para buscar respostas ou para manter nosso equilíbrio. Num ritual, a meditação é fundamental para entrarmos em sintonia com o objetivo do ritual e conversarmos com a Divindade e ouvir seus conselhos.

Existem várias formas de realizar a meditação. Ela pode ser guiada, quando uma pessoa conduz a outra na meditação, mas também pode ser feita de forma solitária sem nenhum prejuízo. A própria pessoa escolhe a forma de entrar no processo e por isso deve praticar bastante usando o método de sua escolha. Uma dica que damos para os iniciantes ou para aqueles que possuem alguma dificuldade é gravar a sua própria voz guiando os passos da meditação. Você também pode colocar uma musica de fundo para se sentir mais relaxado.

Meditando

Para meditar, você precisa estar em uma posição confortável. Tradicionalmente as pessoas costumam associar a posição de Lótus (o pé esquerdo sobre a coxa direita e o pé direito sobre a coxa esquerda, coluna totalmente ereta) porem essa posição pode causar certo desconforto para algumas pessoas. A melhor forma é sentar-se confortavelmente da forma que melhor se adeque a você, ou meditar deitado.

Um método eficaz de começar a meditar é usando a respiração em quatro tempos. Sentado ou deitado inspire em quatro tempos (contando devagar até quatro), segure a respiração em quatro tempos (contando até quatro) e expire em quatro tempos. Repita essa rotina quatro vezes. Note como você ficou mais relaxado e focado agora que sua respiração está ritmada e que seu cérebro está bem oxigenado.

Gosto muito do método detalhado por Laurie Cabot em “O Amor Mágico”:

“Há vários métodos de passar a atividade cerebral, das ondas beta normais associadas à consciência desperta para as ondas alfa mais profundas, típicas da consciência visionária. Embora os métodos variem entre os magos, médiuns, xamãs, curandeiros e Bruxas, todos eles concordam que o estado alfa é o portal ao trabalho sensitivo criativo. Alguns métodos incluem tambores, cânticos, danças, respiração profunda, música e determinadas posturas corporais. O método que ensino como parte da Ciência da Bruxaria chama-se “Contagem Regressiva de Cristal”, um processo de visualização que combina cor e número. Feche os olhos, respire profundamente algumas vezes e visualize um 7 vermelho ou o número 7 num fundo vermelho. Detenha-se nessa imagem por alguns segundos e depois visualize um 6 laranja. Prossiga visualizando um 5 amarelo, um 4 verde, um 3 azul, um 2 índigo e um 1 lilás. Quando sua atenção concentrar-se no 1 lilás, diga: “Agora estou em alfa e tudo o que fizer será preciso e correto. Assim seja.” Aprofunde o estado ainda mais, contando regressivamente de dez a um sem qualquer componente cromático e depois repita a sugestão conforme descrito acima”.

Ao terminar, siga para o objetivo da sua meditação (conversar com os Deuses, angariar poder para um feitiço, buscar um animal de poder, fazer magia, etc). Para sair do estado de alfa, faça a contagem ao contrário, do 1 lilás ao 7 vermelho. A ordem pode parecer difícil a princípio, mas ela é bastante intuitiva, basta um pouco de prática.

Visualização

Muito ligada à meditação, a visualização é a técnica de ver com a mente além do que seus olhos podem te mostrar. Na nossa religião, a visualização é extremamente importante para a magia, ajudando para que seu objetivo seja alcançado exatamente da forma como você o deseja. Quando a pessoa tem em mente o que deseja e consegue focar-se o suficiente para visualizar seu objetivo de forma clara, a magia se torna mais ágil.

Essa é uma prática que magistas repetem exaustivamente já que, como qualquer habilidade, ela se atrofia com a falta de uso. Com alguma prática e treinamento a habilidade de ver o que se quer, visualizar cenas, conquistas e desejos passam a fazer parte do nosso cotidiano.

Nos dias de hoje, em qualquer livraria podem ser encontrados na seção de auto-ajuda inúmeros livros que dissertam sobre esse assunto. Como usar a visualização da mente em seu favor. Técnicas como “Visualização Criativa” ou “Imaginação Ativa”, PNL, etc, onde criamos imagens na mente que, de algum modo, cria energia no universo e se manifesta, têm seus fundamentos na magia e são praticadas pelos wiccanianos, druidas e xamãs urbanos de hoje.

O uso criativo da mente ou visualização criativa consiste em criar imagens e visualizar cenas para se obter algo. Exemplo disso é a pessoa se concentrar num objetivo específico e começar a visualizá-lo. Por exemplo, se você deseja ter um carro deve reservar alguns minutos do dia para a visualização criativa. Imagine-se dirigindo o carro, sinta a textura dos bancos, o cheiro de carro novo, veja-o guardado em sua garagem. Visualize as cenas com o máximo de elementos sensoriais que puder e evite pensar em como o carro chegará até você (quer seja comprando ou ganhando). Deixe que o Universo tome conta disso!

Para se ter uma boa visualização, é necessário que a pessoa de alguma forma pratique-a. Pode inicialmente começar a visualizar pequenos objetos até objetos mais complexos. Um bom exercício é olhar por um tempo para um objeto e fechar os olhos em seguida, recriando-o com todos os detalhes em sua mente.

Em um ritual, a visualização é importante para o traçado do círculo mágico. Não é necessário ser capaz de ver o círculo com seus olhos, mas através da visualização você simplesmente sabe que ele está ali. Numa meditação a pessoa realiza a visualização para estar em contato com os Deuses, conversando, recebendo conselhos e símbolos. A habilidade de visualizar ajuda muito a canalizar energias.

Um exercício prático e muito benéfico de visualização que pode ser praticado por iniciantes é o da “criação”:

1. Pense em algo que queira criar em sua vida. Pode ser algo material como comprar um carro ou imaterial como uma característica de personalidade que deseja adquirir.

2. Visualize agora os 4 estágios da criação de uma planta: preparar o solo, semear, regar, colher.

3. Mantenha as imagens na mente, associando-as a atitudes relacionadas ao objetivo do item 1.

E divirta-se.