Dedicação

Quando as pessoas entram para a nossa tradição, são avisadas durante o rito de dedicação de que serão afetados de formas que não podíamos prever. Bom, isso é verdade, realmente a dedicação afeta a todos de formas que não tínhamos como imaginar. Mas algumas coisas nós podemos prever sim.

Uma das coisas que podemos ter certeza que vai acontecer durante o período de dedicação, é o processo de “conhecer a si mesmo”. Caso contrário, você não está passando pela dedicação e sim passeando pela dedicação. Quando escolhemos nos dedicar, estamos abrindo uma brecha em nossas máscaras, naquilo que achamos que somos, para mergulhar dentro do oceano infinito do que realmente somos. Dizem que a ignorância é uma bênção, e de fato ela é. Você poder ignorar todos os seus defeitos e levar em consideração apenas as suas qualidades é uma coisa maravilhosa pro seu ego. No entanto, seus defeitos, suas falhas e seus pontos fracos são perfeitamente visíveis pra todos ao seu redor, menos pra você, e enquanto você não souber quem eles são, não pode crescer e melhorar. E quando você inicia o processo de dedicação, renuncia a essa ignorância. E a partir de então, o universo te trata de acordo.

Quando você entra na dedicação e começa a verdadeiramente descer o tobogã do autoconhecimento, não tem mais volta. Ah, lógico que você pode largar tudo e desistir da dedicação, mas você abdicou pra sempre da ignorância. E pra falar a verdade, a dedicação traz várias coisas novas pra sua vida (isto é, se elas já não estavam lá). Ela traz conhecimento, magia, novas amizades e quem sabe até mesmo o amor pelos Deuses. Mas de fato, a dedicação não muda nada em você. Difícil acreditar não é? Principalmente se você é um daqueles que está passando por momentos muito difíceis, onde tudo ao seu redor parece ruir. E por que isso está acontecendo?

Porque durante a dedicação, você é obrigado a mudar a perspectiva das coisas. Você passa ser obrigado a olhar para o seu umbiguinho em vez de colocar a culpa de tudo o que te acontece nas pessoas ao seu redor. O que antes era “nenhum homem presta” passa a ser “se nenhum homem no mundo presta, será que não tem alguma coisa errado comigo em vez de com eles?” O que antes era “meus pais são uns idiotas” de repente se torna “será que meus pais são mesmo idiotas ou eu é que não sei me comunicar com eles?”.

Durante a dedicação, você é instigado a questionar tudo sobre a sua vida e a vida das pessoas que te cercam. Você é incentivado a trazer coisas novas pra sua vida, sim, mas mais do que isso, é necessário entender de fato o que está dentro de você neste momento. Essa é uma das principais funções da dedicação.

Então quer dizer que todas essas coisas que estão me deixando deprimido, já estavam em mim antes de eu me dedicar? A resposta é um grande SIM. E por que diabos eu iria querer mexer nisso? Simplesmente por que as pessoas mentiram pra você. A ignorância não é uma bênção. Ela é uma bênção, talvez, para as pessoas tolas. Mas ela é o primeiro obstáculo pra aqueles que seguem o caminho dos Deuses Antigos. Os que não se livrarem disso não podem seguir adiante e jamais entenderão os Deuses por completo. Jamais superarão seus limites.

Agora, a dedicação serve como uma ferramenta pra ajudar a lidar com todo o “lixo” emocional acumulado ao longo dos anos. Aqueles que se dedicam têm em suas mãos uma oportunidade de ouro pra conseguir superar todas essas questões que estavam enterradas durante anos e anos. Se vocês lidarem com elas agora, lidarem com elas de verdade, elas nunca mais voltarão a lhes incomodar. E vocês não vão precisar depender da ignorância pra ter paz, pois foram capazes de enfrentar seus medos e seus demônios interiores, e venceram. Venceram por seu próprio poder e por sua própria força.

Então pessoal, de novo, se tem algo acontecendo na sua vida, não procure culpar a dedicação. E principalmente, não caia na ilusão de que se você largar a dedicação, as coisas vão se resolver, pois não vão. Tudo o que te acontece durante a dedicação, é parte de você. A única coisa que ela faz é impedir que você olhe para o lado, fingindo que aquilo não existe. É um puta processo doloroso, mas faz parte de se tornar um sacerdote e uma sacerdotisa.

Se você acha que olhar pro cerne das coisas e enxergar a verdade faz parte de você, ótimo, seja bem vindo entre nós. Caso você prefira continuar mentindo para si mesmo, achando que as coisas vão ficar tão mais fáceis caso largue a dedicação, faça um favor para si mesmo e reavalie de verdade suas motivações para buscar o caminho dos Deuses.

De novo pessoal, a dedicação não é a verdadeira culpada por todas as besteiras que vocês já fizeram com a vida de vocês. Ela está simplesmente mostrando isso pra vocês, ou em alguns casos, esfregando não gentilmente na cara até que vocês enxerguem. Desistir no meio do caminho não é só perder a oportunidade de resolver os “esqueletos no armário” de uma vez por todas como também de crescer como pessoa e quem sabe um dia se tornar um digno representante dos Deuses.

Então repensem seus problemas. Façam uma lista das coisas que verdadeiramente te incomodam e procurem descobrir a causa raiz daqueles problemas. Mas eu já dou um adianto pra vocês. Com exceção de certos problemas de saúde, na maior parte dos casos, a causa raiz somos nós mesmos.

É. Ter responsabilidade por si é realmente um porre. Mas faz parte das atribuições do sacerdócio.

Vocês estão dispostos a isso ou não?

Dylan Siegel