As Leis da Magia

As Leis da Magia

Por Isaac Bonewitz (com adaptações)
Tradução: Agathos Athenodoros

A natureza dessas Leis e vice-versa

Agora estamos prontos para entrar em uma descrição das formas básicas em que os fenômenos mágicos parecem comportar-se. As Leis da Magia não são leis civis, mas, como as de física ou de harmonia musical, são observações práticas que foram se acumulando ao longo de milhares de anos, com notável semelhança em quase todas as culturas humanas conhecidas. Aqueles de vocês que preferem permanecer céticos quanto à realidade dos fenômenos psíquicos e os sistemas de magia desenvolvidos para controlá-los, pelo menos, encontrarãonestas Leis um guia interessante e detalhado para que os psicólogos e antropólogos tão condescentemente se referem como “pensamento mágico”. Aqueles de vocês que jogam com magos como personagens vão encontrar essas leis notavelmente um guia conciso para as maneiras pelas quais a maioria dos magos, pelo menos neste mundo, acreditam que é assim que a magia funcione. A maioria das motivações técnicas de magia, usando personagens, antes, durante e depois de usar magia, será com base nessas leis. Dado que eu realmente não poderei reescrever o meu primeiro livro mais uma vez neste texto slim, eu não vou dar a explicação longa de cada lei. Você pode consultar as obras na Bibliografia (Magic especialmente Real e sua Bibliografia) para obter mais detalhes, se desejar.

Junto com cada lei listada, vou incluir “palavras-chave” para ajudar na memorização. Estas frases são generalizações grosseiras, mas têm a vantagem de serem breves e fáceis de lembrar.
É inteiramente possível que existam outras Leis da Magia, no entanto, eu atualmente desconheço qualquer outra que seja realizada pela maioria dos magos neste planeta. Designers de jogos individuais e árbitros são livres para inventar novos universos para o seu jogo, mas eles provavelmente vão dar as simulações mais precisas magia se eles forem congruentes com estas aqui listadas.

A Lei do Conhecimento

Essência: Entendimento traz o controle, o quanto mais se sabe sobre um assunto, mais fácil será para exercer controle sobre ele.
Observações: Esta Lei é tão fundamental que quase nenhum trabalhosobre a magia já foi publicado, sem mencioná-la. Os comentários deChivalry&Sorcerysão bastante adequados aqui: “O Usuário de Magia pode ser comparado a uma combinação filósofo-sábio-cientista pesquisadorondeas atividades que diretamente visam aumentar a própria maestria da Magia podem dar ao mago qualquer ‘experiência’ valida ele.”Esses comentários são mais precisos para magos do tipo intelectual e do tipo teúrgico, mas são mais ou menos verdadeiro para a maioria dos usuários de magia outros sistemas também.
Palavras-chave: “Conhecimento é poder.”

A Lei de Auto-Conhecimento

Essência: O tipo mais importante de conhecimento mágico é o conhecimento sobre si mesmo; familiaridade com os próprios pontos fortes e fracos é vital para o sucesso como mago.
Observações:A maioria dos magos rapidamente descobre suas própriasqualidades e falhas. Afinal, esta é uma grande parte do que Aprendizagem é parte de tudo. É também por isso, “Magos Negros” são relativamente raros no mundo real (especialmente nas “altas patentes”), porque a dedicação ao “mal por amorao mal” é quase sempre devido à falta de introspecção e autoconsciência.
Palavras-chave: “Conhece a ti mesmo.”

A Lei de Causa e Efeito

Essência: se exatamente as mesmas ações são feitas exatamente nas mesmas condições, eles costumam responder exatamente aos mesmos “resultados”; feixessimilares de eventos produzem resultados semelhantes.
Observações: Magosacreditam muito na causa e efeito tal como os físicos modernos fazem – eles apenas sabem que um bom ritual, como um bom poema ou uma receita de pão bom, nem sempre é absolutamente previsível.
Palavras-chave: “Controle de todas as variáveis e você controla todas as mudanças – boa sorte!”

A Lei da Sincronicidade

Essência: Dois ou mais eventos que acontecem ao mesmo tempo, são suscetíveis de ter mais associações em comum do que meramente a coincidência temporal; muito poucos eventos realmente acontecem de forma isolada a partir de eventos nas proximidades.
Observações:Se você pressionar um cético profissional contra uma parede (cuidado, elas são desagradáveis quando encurralados) você verá que a palavra “coincidência” é um termo cientificista de exorcismo, usado para banir os demônios donão-material e, portanto, “não científica”:isto é, a causalidade.
Palavras-chave: “Coincidência é raramente simples.”

A Lei de Associação

Essência: se houver dois ou mais padrões com elementos em comum, os padrões interagem atravésdos elementos comuns; assim, o controle de um padrão facilita o controle sobre o outro (s), dependendo (entre outros fatores) do número, tipo e duração de elementos comuns envolvidos.
Observações: Este é provavelmente um dos mais importantes das Leis da Magia e está diretamente ligado à maioria das outras leis.
Palavras-chave: “Controle doselementos comuns.”

A Lei da Similaridade

Essência: Os efeitos são susceptíveis de ter uma aparência física ou mental semelhante a suas causas.
Observações: Ter uma imagem precisa / som / cheiro de um objeto ou ser facilita o controle sobre ele ou eles.
Palavras-chave: “sósias são iguais.”

A Lei de contágio

Essência: objetos ou seres em contato físico ou psíquico com o outro continuam a interagir após a separação.
Observações: Todo mundo que você já tocou tem uma ligação psíquica com você, embora seja (provavelmente) muito fraco, a menos que o contato tenha sido intenso e / ou repetido com freqüência. Naturalmente ter uma parte do corpo de alguém (unhas, cabelo, saliva, sangue, etc) dá o melhor elo de contágio. Quase tão bom são objetos de vestuário, lenços, lençóis, etc, que absorvem o suor ou outros fluidos corporais.Palavras-chave: “Magia é contagiosa.”

A Lei da Atração Positiva

Essência: Semelhante atrai semelhante; para criar uma realidade particular, você deve colocar a energia de uma espécie similar.
Observações: Esta lei é freqüentemente usada em feitiços de atração, saturando o aura do mago ou do cliente com símbolos e energias semelhantes aos queria. Também é comumente citada para fins moralistas para desencorajar os comportamentos indesejados na magia, com base em que se comportando mal vai atrair má sorte. Esta Lei pode se referir a “ressonâncias mórfica,” a tendência para formas de energia para completar-se, ou talvez “arrastamento das ondas”, que é a capacidade de vibrações em particular a criação de vibrações correspondente em padrões de energia nas proximidades. Um desses fenômenos podem acontecer com campos de energia psíquica, que poderiam facilmente causar os efeitos geralmente referidos na presente lei.
Palavras-chave: “Aquilo que é enviado, retorna.”

A Lei da Atração Negativa

Essência: Semelhante atrai ao contrário, energia e ações, muitas vezes atraem seus “opostos”.
Observações: As pessoas dizem que semelhante atrai semelhante, mas eles também dizem que os opostos se atraem. Este paradoxo pode ser conciliado contemplando o símbolo clássico “yin-yang”. As duas metades do yin-yang são de cores opostas, mas são idênticos na forma, assim oposto e similares em dois diferentes níveis de realidade (ou universos de discurso). No entanto, as duas metades tanto atraem e se repelem em uma eterna dança circular (ver a Lei de Polaridade abaixo).
Qualquer fenômeno mais complexo do que uma bactéria pode ser visto em vários níveis, de modo que você pode geralmente encontrar formas em que quaisquer dois fenômenos podem ser vistas tanto como oposto ou similar, dependendo de qual dessas Leis da Atração você está interessado em enfatizar.
A razão que esta lei não tenha ficado claro antes é que o dualismo ocidental geralmente escolhe um aspecto da existência em que dois fenômenos possuem e insistir que um único aspecto é “importante” na medida em que julgar o fenômeno a ser semelhante ou oposto.
Palavras-chave: “Os opostos se atraem”.

A Lei dos Nomes

Essência: Saber o nome completo e verdadeiro de um objeto, ser ou processo dá um controle completo sobre o mesmo.
Observações: Isso funciona porque um nome é uma definição, bem como um elo de contágio. Talvez mais importante, ele funciona porque saber o nome completo e “verdadeiro” de algo ou alguém significa que você alcançou um entendimento completo de sua natureza. É por isso que, na maioria das culturas pré-industriais, as pessoas recebem “nomes secretos”, bem como “nomes de público”, e porque a partilha de um nome secreto é um ato de confiança – porque o nome secreto é considerado muito perto, se não idênticos, ao verdadeiro nome da pessoa.
Palavras-chave: “O que há num nome? – Tudo!”

A Lei das Palavras de Poder

Essência: Existem certas palavras que são capazes de alterar a realidade interna e externa ao enunciá-los, e seu poder pode estar tanto nos sons das palavras quanto em seus significados.
Observações: Muitas palavras são nomes ea maioria tem definições conhecidas. Palavras bárbaras de poder são (atualmente, não se originalmente) palavras sem sentido, que, todavia podem liberar certos fenômenos psíquicos e estados. Muitas ferramentas mágicas requerem palavras para serem inscritassobre elas e / ou a ser ditas sobre elas durante a sua criação.
Palavras-chave: “Uma palavra para o sábio é suficiente.”

A Lei da Personificação

Essência: Qualquer fenômeno pode ser considerado vivo e ter uma personalidade, isto é, “ser” uma entidade ou ser, e podem ser eficazmente tratados desta forma.
Observações: Esta Lei se baseia em processos fundamentais de pensamento humano e faz amagia, especialmente aquelas com conceitos abstratos, muito mais fácil. A maioria dos magos que fazem a magia climática, por exemplo, personificam os ventos e as nuvens, e assim são capazesde concentrar-sena atmosfera muito mais facilmente.
Palavras-chave: “Qualquer coisa pode ser uma pessoa”.

A Lei da Invocação

Essência: É possível estabelecer comunicação interna com entidades de dentro ou fora de si mesmo, conversando com entidades que parecem estar dentro de si durante o processo de comunicação.
Observações:Tanto Invocação como Evocação podem controlar os processos de comunicação com um espírito, processo conhecido como inspiração, conversa, canalização (mediunidade), e posse temporária.
Palavras-chave: “Seres dentro …”

A Lei da Evocação

Essência: É possível estabelecer a comunicação externa com entidades de dentro ou fora de si mesmo, conversando com entidades que parecem estar fora de si durante o processo de comunicação.
Observações: Evocação é a Lei que controla a maioria das invocações.
Palavras-chave: “… Seres fora.”

A Lei de Identificação

Essência: É possível através da associação máxima entre os elementos de si mesmo e as de outro ser tornar-se realmente esse ser a ponto de partilhar os seus conhecimentos e empunhar o seu poder.
Observações: Esta é a Lei que controla os fenômenos de possessãode longa duração.
Palavras-chave: “Você pode se tornar outro.”

A Lei de Dados de Infinitos

Essência: O número de fenômenos a ser conhecido é infinito;sempre haverá coisas para aprender.
Observações: O melhor exemplo disso é a Internet. Você poderia gastar 24 horas por dia, sete dias por semana, e ainda nunca verá 1% da informação que está lá fora – e mais do conhecimento humano não está na net ainda (a partir de 1998, pelo menos).
Palavras-chave: “Há sempre algo novo.”

A Lei do Sentidos Finitos

Essência: Cada mecanismo de sentido de cada entidade é limitado por alcance eo tipo de dados percebidos.
Observações: Muitos fenômenos reais existem e que podem estar fora da capacidade sensorial qualquer de determinada entidade.
Palavras-chave: “Ninguém pode ver tudo”, ou “justa causa é algo invisível e não significa que ela não está lá.”

A Lei dos Universos Pessoais

Essência: Cada vida pensantevive dentro e muito possivelmente cria um universo único que nunca pode ser 100% idêntico àquele vivido por outro.
Observações: A chamada “realidade” é de fato uma questão de opiniões consensuais. Não há “Realidade” única existente, quer as pessoas gostem disso ou não – que é idéia estranha e populardevida às teologias monoteístas eocientificismo que as gerou – em vez disso, há realidades múltiplas e freqüentemente contraditórias de todos universos existentes simultaneamente. Esta Lei pode ou não ser o mesmo que a Lei do Universo Infinito.
Palavras-chave: “Vocês vivem em seus cosmos e eu vou viver no meu.”

A Lei de infinitos universos

Essência: O número total de universos em que todas as combinações possíveis de fenômenos existentes poderiam ser organizadas é infinito.
Observações: Algumas pessoas consideram que esta Lei se referir ao “mundos alternativos de probabilidade” de ficção científica, no entanto, tem uma aplicação muito mais ampla.
Palavras-chave: “Todas as coisas são possíveis, embora algumas sejam mais prováveis do que outras.”
A Lei do Pragmatismo
Essência:Um padrão de crença ou comportamento permite que um ser sobreviva e alcancesuas metas é melhor do que a crença ou comportamento do que é “verdadeiro” ou “real” ou “sensível” em quaisquer níveis de realidade que estejam envolvidos.
Palavras-chave: “Se funciona, é verdade”

A Lei do Paradoxo

Essência: É possível para um conceito ou ação funcionar de forma a violar os padrões de verdade de um dado universo (incluindo um indivíduo ou parte do grupo de uma realidade de consenso) e ainda continuar a ser “verdade”, desde que ele “funcione” em um contexto específico.
Observações: Um padrão de dados pode ser verdade em um “nível de realidade” e falsa em outro, dependendo das circunstâncias envolvidas. Por exemplo, no nível normal acadêmico da realidade dos Deuses do trovão são partes da “mitologias pitorescas dos nossos antepassados “ignorantes” e, portanto, “falso”, mas no nível da realidade envolvida na magia de fabricar chuva Eles são muito reais, de fato.
Palavras-chave: “Se é um paradoxo então é provavelmente verdadeiro”

A Lei da Síntese

Essência: A síntese de dois ou mais padrões “adversários” de dados irá produzir um novo padrão que será “mais verdadeiro” do que qualquer um dos princípios que o formam, ou seja, será aplicável a mais realidades (ou “níveis de realidade” ).
Observações: Este novo padrão não será necessariamente um consenso, mas pode ser algo novo.
Palavras-chave: “Síntesereconcilia”.

A Lei da Polaridade

Essência: Qualquer padrão de dados pode ser dividido em (pelo menos) dois padrões de “oposição” característicos, e cada um irá conter a essência do outro dentro de si.
Observações: Polaridade não deve ser confundida com o dualismo, um erro que os ocidentais têm cometido durante quatro mil anos e que possivelmente levou a mais tudo-em torno da miséria do que qualquer outro conceito teológico na história (ver Capítulo 11). Dualismo assume que os opostos estão em guerra uns com os outros; polaridade assume que eles se abraçam. Os criadores do D&D fizeram o mundo do jogo um grande favor, quando eles fizeram “neutralidade” como uma parte dos alinhamentos políticos e morais em seus jogos. “Ordem contra Caos” e “Bom versus Mal” são sistemas de alinhamento tão comuns em jogos de fantasia e que são simplificações perigosas, mas a adição de “neutralidade” e “amoralidade” (para não mencionar os novos alinhamentos que foram inventados pelos jogadores e mestres, como “fome”, “estranho”, ou “whimsical”) acrescentaram muito mais criatividade na criação de personagem e ao jogo.
Palavras-chave: “Tudo o que contém o seu oposto.”

A Lei do Equilíbrio Dinâmico

Essência: Para sobreviver, muito menos para se tornar poderoso, é preciso manter todos os aspectos do próprio universo em um estado de equilíbrio dinâmico com todos os outros uma; extremismo é perigoso, tanto no pessoal, quantonos níveis de evolução da realidade.
Palavras-chave: “Dance com a música.”

A Lei da Perversidade

Essência: também conhecida como “Lei de Murphy”, “Lei de Finagle”, etc: se alguma coisa pode dar errado, dará – e da maneira mais irritante possível.
Observações: associações mágicas às vezes operam no reverso do que era procurado; coincidências significativas estãona mesma probabilidade de ser desagradável como a ser útil (especialmente se muita emoção vai para as situações relacionadas). Mesmo que “nada pode dar errado”, algum elemento do universo pode mudar para que as coisas dêem errado de qualquer maneira.
Esta Lei é provavelmente baseada no uso de contramágica pela própria mente subconsciente, por qualquer razãotortuosa ou mesmo neurótica que ele pode ter. Meu palpite é que ele também está relacionado com os talentos Anti-Psi. Esta Lei explica por que a magia de algumas pessoas parece funcionar para trás. Magos emocionalmente saudáveis têm menos problemas com esta lei do que os instáveis, e uma vez um mago tenhaatingido o grau Mestre seu “fator de erro” tende a diminuir em conformidade
Palavras-chave: Estes só podem ser: “Se alguma coisa pode dar errado, dará”.

A Lei da Unidade

Essência: Cada fenômeno na existência está ligada direta ou indiretamente a qualquer outro, passado, presente ou futuro; separações percebida entre os fenômenos são baseados em sensoriamento incompleto e / ou pensamento.
Palavras-chave: “Tudo é Um”.

Notas adicionais sobre as Leis

Várias dessas leis são, obviamente, uma parte do fundo metafísico de magia ao invés de parte das técnicas do seu dia-a-dia. Alguns, como Invocação e Evocação, ou infinitos universos e universos pessoais, podem realmente ser os mesmos princípios vistos de diferentes pontos de vista. Algumas das leis geralmente parecem ser subconjuntos ou cruzamentos de outras leis, como o gráfico mostra claramente.

Contágio semelhança, e “The Golden Bough”

A mais conhecida das leis na literatura ocidental são Similaridade e do Contágio, sendo que ambos são subconjuntos de Associação, e ambos os quais são famosos graças aos escritos de Sir James Frazer, especialmente o Ramo dede Ouro. A edição de um volume , editado por T. Gaster, e publicado sob o nome de The New Golden Bough, é vale a pena ler se você não tiver o vapor para passar por todos os 10.000 + páginas do original – mas você vai perder um monte de coisas boas. Muitas obras de ficção e não-ficção na fantasia, ocultismo e ficção científica (para não mencionar antropologia) publicados desde o tempo de Frazersupõe alegremente que essas duas são as únicas leis envolvidas em magia, apesar do fato de que fortes indícios de que as outras leis estão muitas vezes presente dentro desses trabalhos. Aparentemente, poucos estudiosos cuidado de crédito “selvagens ignorantes” e “ancestrais primitivos” com a possibilidade de organizar as suas observações em sistemas coerentes de pensamento, muito menos em filosofias complexas.

Deve ser lembrado que as semelhanças não têm que ser visuais, a fim de usar a Lei da Similaridade. Sons, cheiros, texturas, sabores, etc, podem certamente ser usados, bem como semelhanças abstratas que só existem na mente do mago. Como por contágio, os fenômenos envolvidos parecem ter declínio de padrões, ou “meia-vida.” Quanto mais tempo houver desde quando o último contato foi feito ou usado,mais fraca será a ligação do contágio.

Estas Leis se combinam com freqüência. Sangue de um aardvark sempre pode ser usado para controlar aardvarks mais do que o doador original, porque o sangue aardvark sempre será muito semelhante ao sangue aardvark. Feitiços de controle irão funcionar melhor sobre a fonte original da amostra contágio (e partes do corpo são geralmente as melhores amostras), mas uma amostra do corpo pode sempre ser usado para aumentar a eficiência de um feitiço feito em qualquer entidade com um corpo semelhante (e este corpo não tem que sempre ser orgânica – um mago a ter problemas com aparelhos tecnológicos podem optar por realizar os transistores ou as amostras de fiação em volta).

Invocações e evocações

A Lei de invocação é a principal lei usada por xamãs e médiuns porque lida com vários tipos de possessão. A Lei de Evocação, no entanto, é usado por magos de Goetia e Necromantes para “convocar” vários tipos de espíritos, humanos ou não humanos, muitas das quais podem ser partes do subconsciente ou mente superconsciente dos magos si.

Universo em Saltos

A Lei de infinitos universos pode ser usada por magos tentando enviar um objeto ou ser (incluindo eles mesmos) para outro universo, ou para recuperar alguma coisa ou alguém de outro universo, como em vários feitiços de portal.

Polaridade tática

A Lei da Polaridade pode ser usada para fins táticos em combate mágico, uma vez que cada alvo vai ter um “ponto fraco” de alguma característica “oposto” escondido profundamente dentro. Mesmo o mago mais vigorosamente “Bom” vai ter um ponto de “Mal” em algum lugar dentro, embora a sua posição mais elevada e a sua melhorsaúde emocional, mais fraco o ponto vai ser (não só vai ser mais difícil de chegar, mas vai ser menos útil para explorar).
O problema na maioria dos casos é descobrir exatamente o que constitui “o oposto” de um objeto complexo ou ser. Um “gigante do Norte Fogo” teria manchas de “sulidade”, frio e “ananilidade” dentro sua estrutura física e psíquica, mas apenas o aspecto do frio faria uma falhapara se concentrar em na maioria dos casos – a menos que você poderia ampliar sua “sulidade” para torná-lo mais hospitaleiro !

Perversidade e Desejos

A Lei da Perversidade pode fornecer uma série de incidentes divertidos e irritante em magia real e jogo. Na comunidade oculta, um dos ditados mais populares em todo o mundo é “cuidado com o que você deseja! – Você pode obtê-lo”

Leis combinando

Por uma questão de uso prático, as Leis são raramente aplicadas isoladamente. Normalmente, duas ou mais são combinadas.

O conteúdo completo desse texto está em:
http://www.neopagan.net/AT_Laws.html?Cyberhenge+Banner%3A+Go+to+TOC.x=179&Cyberhenge+Banner%3A+Go+to+TOC.y=30