A dor e a perda de Aset

Na nossa Tradição, o dia 05 de março é sagrado a Aset e Wesir. Infelizmente, não pude celebrar com todo mundo em Brasília, mas ontem eu fiz a minha homenagem a Eles. Eu fui lendo partes do mito e fazendo oferendas relativas às partes, fazendo saudações e sentindo a energia.

Eu senti o Amor de Aset e Wesir; senti a dor de Nebt-Het que queria esse Amor e só o teve por uma noite; senti o sofrimento de Yinepu, fruto dessa noite, deixado ao sol do deserto; senti a compaixão de Aset, que o pegou, cuidou e adotou; senti a dor dela com a morte de seu amado, chorei com Ela, chorei muito. Senti aquela dor como minha própria, a dor de perder um Amor… lamentei com Ela e Nebt-Het, chamei Wesir de volta com Elas e chorei mais um pouco; senti o alívio de encontrá-lo e dar a vida a Ele, para depois ele morrer de novo e seus pedaços serem espalhados pelas águas; me arrepiei e me emocionei com a proteção de Sobek enquanto Aset, Nebt-Het e Yinepu procuravam as partes de Wesir pelas águas; me admirei com toda a força de Aset em meio a todo esse sofrimento, e depois presa a mandado de Set; depois senti também seu desespero com a quase morte de Heru… chorei com Wesir que transformou toda a Sua dor em um reino para os mortos, onde eles pudessem ficar em paz…

Ontem eu vivi com Aset o seu mito de uma forma muito diferente de tudo que já tinha sentido. Eu nunca tinha pensado no lado de Wesir em tudo isso, em como foi chegar ao outro lado para nada encontrar, apenas um vazio, um vazio para o qual ele deu forma. Eu nunca tinha pensado no sofrimento de Yinepu, abandonado no deserto, em meio ao sol e com fome. Eu nunca tinha pensado na tristeza de Nebt-Het, que desejava tanto um Amor que nunca teve… mas, principalmente, eu nunca tinha sentido a dor de Aset com a perda de seu amado, não como ontem.

Os Deuses para os quais nos dedicamos geralmente nos fazem viver seus mitos, para entender suas histórias por inteiro. De vez em quando isso é sutil, mas com Aset, nada é muito sutil.

Eu achava que ficar sozinha por algum tempo antes de encontrar um Amor era o que precisava para entender seu mito, era o que Ela queria pra mim em relação à vivência. Eu achava que, quando encontrasse o Amor, tudo seria feliz e pleno. Mas Aset tem me mostrado que o sofrimento dela foi muito, muito maior do que o que eu pensava. Pois é, o fato é que eu só pensava, e quando a gente só pensa, a gente não sente direito.

Dedicar-se aos Deuses requer sentir, se entregar, mergulhar na energia para entendê-la por inteiro. Somente entendendo por inteiro aquilo para o qual vc quer se dedicar é que vc conseguirá passar suas lições, ajudar outros que viverem aquilo, entender o que aquela divindade quer de vc e o que vc pode fazer em nome Dela no mundo.

É… não é uma tarefa fácil. É para os fortes. É para aqueles que sobreviverem às batalhas mais difíceis.

Sabe o mais interessante disso tudo? É difícil, dói (e como!), mas no final a gente percebe como aquilo tudo nos tornou uma pessoa melhor… e a gente sabe que muitas vezes vai continuar doendo, mas a gente vai querer continuar, por nós e pelos Deuses.

Blessed Be,

Aileen Daw
07/03/2011

One thought on “A dor e a perda de Aset”