O nascimento de Hórus

Aproveitando que hoje é Yule, o nascimento do Deus, vou contar sobre o nascimento de Hórus (ou Heru), filho de Isis (ou Aset).

Após a morte de Wesir (Osíris), Set colocou Aset em uma casa de tecelagem. Thot foi o Deus que ajudou-a a sair.

– Venha, Deusa Isis. Siga meu conselho e escape deste lugar. Eu A prometo que a força de Seu filho, Horus crescerá duplicada. Ele vingará a morte do Seu pai e sentará em Seu trono, e ele governará as duas Terras do Egito.

Ela seguiu o seu conselho. Em uma noite, ela escapou da prisão, levando consigo seu filho Heru e sete escorpiões como companheiras e guardiãs. Tefen e Befen atrás de Isis, à sua direita Mestet, à sua esquerda Mestetef. À sua frente, Petet, Thetet e Maatet. Enquanto elas viajavam, Isis falou com as escorpiões com uma voz que penetrou e reverberou dentro delas:

– Ouçam-me e obedeçam-me, pois é sábio aquele que obedece a voz de Isis. Não conheçam “A Negra” e não saúdem “a Vermelha”; não diferenciem a alta da humilde. Mantenham seus rostos virados para a Terra e guiem-me para o local seguro. Tenham cuidado para não guiarem aquele que procura por mim, até que tenhamos alcançado “A Casa do Crocodilo”.

E elas o fizeram, guiando a Deusa para a cidade das Duas Sandálias Divinas. Isis chegou cansada e se aproximou da chefe da cidade, Lady Usert, e pediu abrigo. A mulher, vendo as escorpiões que acompanhavam Isis, sentiu medo, e depois raiva por essa mulher, que ela não reconheceu ser a Deusa, ousava se aproximar de sua casa com sete criaturas tão perigosas. Então ela fechou a porta.

Naquela noite, Tefen e as outras escorpiões discutiam a rejeição, e Isis encontrou refúgio com uma pobre mulher dos pântanos. As escorpiões decidiram se vingar de Lady Usert e juntaram todo o seu veneno na cauda de Tefen. Ela entrou na casa da mulher por debaixo da porta e picou o filho de Lady Usert. Ele caiu instantaneamente pelo efeito do veneno e um fogo furioso irrompeu da casa.

Vendo o que aconteceu, Usert deixou escapar um grito de dor, chorando sobre seu filho e pela destruição de sua casa. Ela andou pelas ruas pedindo ajuda, mas ninguém a atendeu. Isis apiedou-se da mulher e principalmente de seu filho inocente.

– Nobre Senhora, venha a mim. Minha boca carrega vida. Eu sou uma mulher cujas palavras têm o poder de proteger. É bem sabido em minha cidade que minhas palavras dão vida. Traga o garoto para mim e eu eliminarei o mal.

Isis colocou suas mãos sobre o garoto e falou as palavras que eliminariam o veneno:

– Veneno de Tefen, venha, vá para a terra, não penetre; veneno de Befen, venha, vá para a terra. Eu sou a divina Aset, Senhora da Magia, Senhora das Palavras de Poder. Caia, veneno de Mestet, não corra. Veneno de Mestetef, não se eleve. Veneno de Petet, Thetet e Maatet, deixem a criança!  A criança vive e o veneno morre.

O veneno obedeceu a Deusa e a criança viveu. E a chuva caiu, extinguindo o fogo da casa de Usert.

Isis estava contente pela criança, mas seu coração estava cheio de pesar.

– Estou sozinha. Ninguém tem mais tristeza do que eu. Eu sou como um homem velho cujo coração não mais se alegra em ver belas mulheres. Fiéis escorpiões, voltem suas faces mais uma vez para o chão e guiem-me para os pântanos de papiro onde eu posso me esconder com meu filho.

Vendo a Deusa, seu filho e as escorpiões partirem, Lady Usert ficou cheia de remorso. Ela encheu a casa da pobre mulher que acolheu a Deusa de belos presentes, coisas de sua própria casa. Mas ela ainda sentia muita culpa pela noite, compreendendo que foi por causa dela que ela e seu filho sofreram.