Agathos

Acho que cabe um pequeno resumo do meu perfil, tal como os outros…

Hoje me chamo Agathos, mas no passado recente usei outro nome pagão, nome pelo qual fiquei conhecido nesta tradição e em boa parte da comunidade wiccana.  Conheci a Wicca em 2001  e 2002 me dediquei na TDB. Como os Deuses possuem designios estranhos! Um homem, numa tradição Diânica, muito pouco afeita ao culto ao Deus. Durante esse periodo, tive algumas epifânias, entre elas, a primeira reconsagração do Phallus, ocorrida numa bela chácara no interior de São Paulo, conduzida por um bruxo alexandrino e uma pessoa que só tenho em boa conta, Marcelo Cuchulain. Este fato, foi com certeza uma epifânia para aquela tradição.

Pouco tempo depois do surgimento do LD,  mudei de dedicadora dentro da TDB, e nesta época passei a ser dedicado da Naelyan, bruxa que desde então tem sido minha iniciadora, professora e amiga. É a ela que devo meu aprendizado e minha magia: Caminho do Tarot, Wanen – e por tabela, runas, e no meu caso, recentemente o Panteão Egípcio tem adentrado aos meus interesses. Astrologia pode se configurar dentro destes interesses é claro, assim como Magia do Caos.

E falando em interesses, amo magia, e tudo que se relaciona a ela. Meu é o caminho do Mago, por excelência. Como disse Grant Morrison em os Invisiveis, “Todas as épocas são uma só. A iniciação de uma Feiticeira revela isso. Por isso dizem que uma verdadeira iniciação nunca termina. Como pode terminar, se acontece fora do tempo? O momento de sua iniciação é uma onda na bolha do tempo.” E acho que para entender isso você precisa entender a liguagem sutil da qual a Magia fala. Precisa entender magia, precisa respirar magia, precisa comer magia, precisa trepar com a magia, precisa ser magia e parir magia de dentro de suas entranhas e senti-la em seus musculos e em seus nervos. Para mim magia é uma experiência única, viceral e ao mesmo  tempo racional, emocional e espiritual.

Mas também me serve pra fazer bons cappuchinos… 🙂

Além disso, estudo e ensino História. É meu ganha-pão e meu parque de diversões. História Antiga é minha paixão e em especializei em História das Religiões no periodo Helenístico-Romano. Acho que isso foi um jeito inusitado de ser “teólogo” na religião da Deusa. É por causa disso que nem me vejo como “pagão”, isto é, paganus – habitante do Pagus, do Campo, mas como urbanus – habitante da Urbs, a Cidade. Meus deuses são os Deuses da cidade, a Cidade é meu lar espiritual, minha casa, o lugar onde eu durmo e é também minha Deusa, num certo sentido.

E se você é do tipo que vive Magia, já deve ter intuido plos textos acima que minha praia é Magia do Caos. “Ah! Mas você não é da Wicca?!” Sim… sou. Essa é minha religião. O Kaos é minha magia. Amo magia do Kaos porque essa é a forma que a magia tomou no nosso tempo. É a forma da nossa época, do nosso tempo, é nosso Kairos. Se há uma coisa que respeito neste sistema é sua flexibilidade. Não que tudo nele me sirva – e esse é o grande paradoxo do sistema – mas ele me serve de modo espetacular. Gosto de pensar Magia do Kaos não exatamente como um sistema de Magia, mas um sitema de Meta-magia. Para encerrar, aqui vão os 6 principios de Magia do Caos de Phill Hine:

Princípios da Magia do Caos
Phil Hine

Enquanto os sistemas mágicos normalmente baseiam-se a si próprios em
volta de um modelo ou mapa do universo espiritual/físico, a
magia do Caos baseia-se em poucos “Princípios Centrais”:

1. Evitar o dogmatismo.

2. Experiência Pessoal é vital.

3. Excelência Técnica:rigoroso auto apoio
e análise, com ênfase na técnica experimentada, até que se alcance os resultados.

4. Descondicionamento:Uma das primeiras tarefas do aspirante é perder o condicionamento a que está submetido pela chusma de crenças, atitudes, e ficções sobre o próprio, a sociedade e o mundo.

5. Aproximações Diversas: Magistas do Caos são livres para escolher qualquer sistema mágico disponível, temas literários, televisão, religião, cultos,
parapsicologia, etc.

6. Gnose:habilidade de entrar em Estados Alterados de Consciência sob vontade.

Sejam bem vindos ao nosso mundo. Em caso de despressurização, já sabem o que fazer, né?

A.A

7 thoughts on “Agathos”

  1. “Em caso de despressurização, já sabem o que fazer, né?”..hauhauhua..

    Olha, eu adoro os seus textos e gosto muito de vc moço, sempre com ótimas respostas, até mesmo quando as perguntas são péssimas.

    Lembre-se: “Nada é verdadeiro, tudo é permitido.”..rs

    ;D

  2. rsrsrss…Gosatei do texto, todu isso pra mim é novo e excitante. So não entendio o que vc passou com a seguinte frase do seu texto: “Este fato, foi com certeza uma epifânia para aquela tradição”.

    Poderia explicar o que isso quer dizer?

    E como ocorreu a mudança de dedicadora?

    Abraços

    Cermait

  3. Sinto pelos eros da mensagem anterior, então a reenvio sem os erros.

    Gostei do texto, tudo isso pra mim é novo e excitante. So não entendi o que quis dizer com a seguinte frase do seu texto: “Este fato, foi com certeza uma epifânia para aquela tradição”.

    Poderia explicar o que isso quer dizer?

    E como ocorreu a mudança de dedicadora?

    Abraços

    Cermait

    1. Oi Cermait…

      Na época não havia um culto o Deus dentro da TDB. A Reconsagração do Phallus foi efetivamente uma ação do Pai em favor de seus filhos e filhas; este é o sentido que eu quero dar a essa idéia de epifânia.

      Por outro lado, a mudança foi tranquila, até onde me recordo. Foi uma situação onde minha dedicadora anterior poderia se mudar do país antes que eu estivesse pronto para me iniciar e eu por outro lado, desejava fazer parte do LD. Juntou a fome com a vontade de comer e então a Naelyan passou a ser aminha dedicadora e por consequencia, minha iniciadora.

  4. Olá, Agathos! Seus textos são excelentes!
    Cheguei até aqui pesquisando sobre Wicca em Brasília e Magia dos Dragões.
    Há uns 3 anos, pesquisando sobre a Tradição Caminho das Sombras, li um texto lindo, em que a pessoa falava sobre Magia dos Dragões e dizia que tinha tido uma lembrança de vidas passadas e da relação com os Dragões observando uma fogueira. Isso ocorria aqui mesmo, no DF, em uma festa wiccana, se não me engano. Esse texto me impressionou muito, mas nunca mais achei na net. Você saberia me dizer que texto é esse?
    Agradeço a atenção e desejo muito SUCESSO!

    Blessed be!